domingo, 25 de dezembro de 2011

Meu Natal


Bem, como dizem, Feliz Natal!!!

Quanto ao meu Natal, como já disse para algumas pessoas, peguei este natal para ficar sossegado em casa, sem ser incomodado. Sim... sem incomodo.
Fiquei muito tempo longe de casa. Começando o doente, depois minha mãe doente e logo depois, licença devido o falecimento da minha mãe, férias, greve, destacamento e ficando quase dois meses em Santa Catarina (foi até irônico o dia que decidir mexer nas coisas da mãe, ficar sabendo que iria trabalhar um tempo em um lugar que adoro). Acho que foi o ano que eu menos coloquei os pés no escritório.

Mas decidir que este Natal (que eu já estava me preparando desde o tempo que fiquei em Gramado e visitei o parque do Papai Noel) seria difícil. Como sempre fui ensinado a não depender dos outros resolvi não passar na casa de nenhum amigo. Não ia me sentir muito bem, já que natal é algo em família. E como era só eu e minha mãe (meus outros parentes moram longe ou não sou muito ligado a eles... ok alguns sem comentários), achei melhor passar sozinho sem incomodar ninguém. Bem, deu para dá uma pequena geral aqui e matar saudades da minha casa e de minhas coisas. Mas como disseram que eu devia ser internado e que sou louco. Bem, vou colocar isso na minha lista de loucuras e/ou extravagancias.

Só não mexi no quarto da mãe ainda (sim, ainda estou enrolando com isso). Mesmo as cinzas ainda estou vendo o que vou fazer. Seguindo algumas coisas da religião dela é provável que eu leve as cinzas para alguma montanha e deixar no alto, para o vento levar.

Bem... quanto ao motivo desta postagem, fica aqui um agradecimento ao Sandro Gifug e ao Wayne, dois bons amigos.
Ao Wayne, por me fazer comprar presente de natal porque ele queria presente de natal de qualquer jeito (tem vezes que este meu amigo, parece uma criança), mas devo concordar que é divertido sair com ele e adorei o presente que ganhei (agora tenho que ver uma namorada para usufruir o presente). Além dos agradecimentos pelas aulas de fotografia.
E ao Sandro Gifug de Floripa, que é outro que me ensinou sobre fotografia e tive a boa companhia para conhecer novos lugares em Santa Catarina e oportunidades únicas para fotografar paisagens lindas. Recebi uma mensagem de Natal dele que me fez rir muito e agradeço por ter levantado o meu astral. Pode deixar que vou mandar uma mensagem em seu aniversário tão hilário quanto a que eu recebi.

E antes que alguém fale algo, pode deixar que o ano novo, devo passar com os amigos. Ainda não preciso de camisa de força (o que não seria uma má idéia para deixar em meu guarda-roupa) e já passei da fase de depressão. Mas que continuo com um humor a lá House. E aos poucos vou arrumando minha vida. E não, fantasmas do passado que de vez em quando ligam, não são bem vindos. E isso inclui alguns parentes. E quanto ao ano novo, se será na praia, ou em piscina... isso só depende de quem organizar as coisas primeiro. Então amigos... vamos lá, que ano novo é para comemorar. E que venha 2012 com um ano diferente e começando com o pé direito.


FELIZ NATAL A TODOS

P.S.: Ah sim, eu comprei o meu presente de natal também.

P.S.2: Cada pessoa que encontramos, por motivos ou outros do destino, é sempre uma oportunidade única de aprender algo. Se o destino fará nos reencontrarmos, é o destino. Se não, foi um momento único, devemos aproveitar para aprender com estas pessoas, mesmo que seja coisa boa ou ruim, são momentos únicos. E o que fica daqueles que realmente importa e não podemos mais ter a sua companhia é a saudades e as boas lembranças. E aguardar uma nova oportunidade. Mesmo daqui a 100 anos ou na próxima vida. Sou orgulhoso, ranzinza, bravo e teimoso... pode ter certeza que aprendi muitas coisas e como dizem que vaso ruim não quebra fácil, vou levar um tempinho longo, mas nos reencontraremos. Até lá, os vivos que gostem ou não de mim, terão que me aguentar mais do que imaginam.

E QUE VENHA 2012

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Árvore de Natal e outras coisas

Pela tradição a árvore de natal deve ser montada 30 dias antes do dia dos reis (data quando ela é desmontada). E se você monta uma árvore, deve montar por 7 anos. Bem, foi assim que me ensinaram. Tradição é tradição.


Mas como eu estava trabalhando fora... acabei montando uma árvore pequenininha mas bem bonita no quarto do hotel. Sim... afinal, tradição é tradição. E uma das primeiras coisas que fiz quando voltei, foi montar a árvore.



Sim, já me falaram que sou louco. Que devia ser internado. Concordo, afinal todos os gênios já foram chamados de loucos. Einsten já foi considerado louco. Assim como outros e outros. Se sou um gênio ou um louco, acho que tenho enganado bem meus médicos. Ou será que os loucos são eles???
Voltando ao assunto, posso não ser cristão devoto... na verdade nem me considero tal, mas respeito as tradições. Afinal o conceito de perdoar e presentear teoricamente é bonita, mas não tenho o coração tão bonzinho para perdoar. Presentear, somente para quem eu considero. E como tal, resolvi montar pelo segundo ano consecutivo, a árvore. Rezei para todos os santos, me desculpando pelo atraso. Mas são coisas da vida, ainda mais que fiquei morando fora por um bom tempinho. E tradição é tradição. Como diz o ditado, respeito é bom e conserva os dentes. Assim como respeito meus amigos que seguem outras tradições e comemoram a seus modos (incluindo os ateus).

E como manda a tradição, FELIZ NATAL!!!


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Rio do Sul - enchente

Bem, como algumas pessoas acham que estou passeando em Santa Catarina (não deixa de ser verdade nos domingos e recentemente nos sábados... vou sentir saudades das horas extras de sábado mas precisava descansar), aproveito para rever os amigos e curtir este estado que eu adoro.


Dá para ver o meu quarto... ah sim, este é o hotel em que estou no momento.



Meu trabalho (temporário, logo volto para casa).

Sim, imagina uma cidade quase uma semana embaixo d'água. Como trabalho em uma empresa que administra o FGTS e um dos motivos de liberação é calamidade, estou aqui trabalhando. Deu para ajudar alguns amigos que conheço (vendo a documentação deles) e ajudar outras pessoas. Assim como fazer novos amigos. Gosto do meu serviço, porque deu a oportunidade de ver as pessoas agradecendo pelo seu serviço. Por você ter viajado quilômetros, longe de casa e de suas coisas, trabalhando de segunda à sábado e fazendo horas extras além da conta (ok, parte destas horas são pagas e outras, são descontadas pelo fato que fiz greve). Mas nada substitui um momento de sorriso das pessoas que perderam tudo e agora vão ter um pouco de dinheiro para recomeçar muitas vezes do zero.
É um dos motivos que amo este meu trabalho.

A cidade em si está normal, algumas casa foram demolidas, mas a vida continua e tudo já voltou ao normal (ou quase). Logo meu serviço estará acabando aqui. Mas ficará a saudades das pessoas que conheci e ajudei.




segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Funcionário Público

Sim, eu sou funcionário público com muito orgulho.
Mas vou te dizer que tem funcionário público, mesmo dentro da empresa que eu trabalho que por mim, são acomodados e preguiçosos, só fazendo corpo mole.
Gosto do meu trabalho, gosto do que faço e da oportunidade que a empresa permite de ajudar os outros. Lembro de ter aprendido com um antigo chefe meu, que dizia, trate o cliente como você gostaria de ser tratado.
Mas no que eu vejo com alguns colegas mais antigos, que tem aquele conceito que a empresa tem que carregá-los. Pessoas sem ambição de crescer dentro da empresa, querendo tudo o que é fácil e que venha de mão beijada. Sem falar que reclama de tudo... de que o hotel é ruim (meu não é você que está pagando o hotel), reclamando do serviço (foi você que se ofereceu para fazer o serviço) isso quando não fala que não sabe mexer em computador (está fazendo o que aqui na empresa???). Isso quando o infeliz não faz o serviço errado (como assim, você está aqui a quase um mês e não sabe que tem que pegar a assinatura do gerente???)
Já escutei absurdos do tipo... a empresa tem que pagar as horas que levamos do hotel até o trabalho (em que empresa do mundo faz isso??? Quer ganhar horas extras sem fazer nada... bando de vagabundos).
E o pior é quando você fala a verdade para alguns deles... e acham que você é o anormal e que está errado. Rir para não chorar. Sorte que a maioria são velhos e logo se aposentam e somem da empresa (nada contra idade, afinal todos envelhecemos e não sou nenhum rapaz novinho, mas tem algumas pessoas com mentalidade do século passado, como um senhor que acha que faz um favor a sua empregada, por fazer-lá limpar a casa usando uniforme de maid e que assim ela não suja a própria roupa).

Realmente eu adoro o meu emprego e dou um gás no meu serviço, fazendo sempre o melhor, mas tem gente que se acomodou tanto que acha que tem um rei na barriga. Sorte que é empresa pública, senão eu mesmo teria o prazer de jogar estes infelizes na rua.

Vou dizer uma coisa, tem funcionário e funcionário, mas não imaginava que tinha tanto vagabundo na empresa que eu trabalho.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

OCB "Flores de Sangue"




Gabriel Collins é um detetive policial da cidade de Hagard que possui habilidades mágicas e as usa no cumprimento de seu dever, combatendo o crime nas ruas.
Com a ajuda de sua irmã, Ashley Collins, eles descobrem uma organização criminosa que comercializa uma estranha droga chamada “egonil”. Tal substância aparentemente induz pessoas comuns a fazerem uso de magia, tornando-as perigosas e letais. Isso fica ainda mais evidente ao enfrentarem o responsável pelo transporte da droga, um assassino chamado Klaus, dono de mortíferos poderes sombrios.

Eles são descobertos por uma agência policial secreta chamada VELVET, especializada em combater crimes cometidos mediante o uso de magia. Através dessa agência, eles descobrem não apenas que esse tipo de crime é mais comum do que se imagina, como também que a tal organização criminosa é apenas a ponta do iceberg, pois existem investidores poderosos que financiam o comércio da misteriosa droga.


O livro de estréia do autor Jeffrey Haiduk engana pela simplicidade do trabalho gráfico e surpreende com a magia do mundo de Velouria. O primeiro volume da OCB Saga nos introduz à um mundo que pode ser considerado normal, se não fosse pela sagacidade do autor em mesclar a fantasia com a temática encontrada em desenhos japoneses. O resultado: uma história cheia de ação e aventura, com personagens cativantes e carismáticos.

A história de Gabriel Collins e seus poderes mágicos, conta com a ajuda da sua irmã, Ashley Collins, e de outros personagens para solucionar casos por Hagad. Logo no início conhecemos outros personagens que trabalham e convivem com Gabe e o seu lado mágico, utilizando o seu poderio para beneficiar nas investigações. De todos os personagens que vamos conhecendo, arrisco a dizer que Lillie e Klaus se tornam os dois pontos importantes até o final do livro, por mais que outros personagens, vítimas, assassinos e até mesmo outras facções apareçam.

Os personagens, de Jeffrey Haiduk, são baseados em pessoas que possuem algum tipo de relação pessoal com o autor, fazendo com que todos eles possuam características bem definidas. Por mais que tenhamos cyborgs, animais e humanos, transmorfos, além de outras excentricidades do universo de Velouria, temos personagens bem construídos e funcionam como destaque de toda história que se desenvolve pelas mais de 400 páginas.

Com o surgimento da droga Egonil, que não deve ser muito explicada para não estragarmos algumas surpresas sobre o que ela é capaz de causar, surge a agência VELVET para controlar o uso da magia induzida pela droga e que vem favorecendo as atrocidades e acontecimentos sombrios por Hagard. Não conseguimos o certo ou o errado ao redor da droga, mas somos capazes de colecionar acontecimentos misteriosos envolvendo uma grande personagem e chave fundamental para o final da história.

Durante a minha leitura pude separar o livro em dois momentos: num primeiro momento temos a presença mais ativa de Lillie, o que tornou a narrativa mais didática para a apresentação e introdução ao universo criado pelo autor; já num segundo momento temos o papel ativo de Sho como resultante da parte mais “aventuresca” do livro, o que nos leva ao lado mais misterioso de toda a trama. Toda a ação dos combates, com armas e magias, com seus respectivos nomes e características, surgem como resgate da cultura retirada dos animes e mangás, porém não são gratuitas ou descartáveis.

“Flores de Sangue” se mostrou um ótimo livro ao ter cada embate bem descrito, seja pelas ações dos heróis e inimigos ou até mesmo pela reação dos que sofrem e caem aos seus pés; conseguimos vislumbrar cada ataque e defesa desferido, cada sangue espirrado, além dos detalhes de um cenário que co-existe com a luta e não somente como um pano de fundo.

Acompanhado de muitas ilustrações durante o livro, traduzindo certas passagens da história, durante a minha leitura eu conseguia ver a OCB Saga sendo transposta para uma graphic novel, com os seus muitos diálogos, que algumas horas prendem sua atenção tempo além do necessário, porém capaz de preencher quadrinhos e mais quadrinhos com o melhor que o livro tem.

Além dos personagens que constroem a trama principal e nos cativa a cada página, a ação do livro te segura e pede pela próxima página, fazendo com que o livro seja lido rápido e facilmente. Comece com a estranheza de acompanhar a vida de Gabe, passando pelo misterioso e excêntrico Klaus, para depois se unir à VELVET e se surpreender com o final. Este que serve só como porta de entrada para a OCB Saga e que pretende ser mais intrigante a cada volume, com uma vilã que beira o clichê, mas já mostrou que tem muito para surpreender a todos nós.



PS.: E sim, eu faço parte do OCB, além do autor ser um velho amigo. É claro que vou dá uma ajudinha para divulgar o livro. E quanto ao meu personagem, só procurar Abadom Al-Saqr Al-Sunnah.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Bancária da Caixa desmistifica informações de O Globo sobre a categoria


Há poucos dias li um artigo no jornal “O Globo” afirmando que as distorções salariais dos servidores públicos já haviam sido corrigidas nos últimos anos e que estava na hora de os servidores públicos da CAIXA, PETROBRÁS, BB, dentre outros, darem a contrapartida liberando o dinheiro público para investimentos. Numa única reportagem, aparecem vários equívocos. Primeiramente, os empregados dessas empresas não se enquadram na categoria de servidor público. Em segundo lugar, os empregados dessas instituições dão sim, todos os anos, sua contrapartida, gerando milhões de reais em lucros que são repassados diretamente para o Tesouro Nacional.

Como o momento é de reajuste da categoria bancária, analisemos apenas os lucros dos dois bancos citados. Nos últimos cinco anos (2006-2010), o BB gerou lucros de R$ 41,752 bilhões, e a CAIXA, lucros da ordem de R$ 15,59 bilhões, no mesmo período. Não nos esqueçamos que a CAIXA é a grande executora dos programas sociais do Governo Federal, logo seu foco principal não é o lucro.

O outro grande equívoco da reportagem citada é com relação à suposta alegação de que as distorções salariais já teriam sido corrigidas.

Para desmistificar essa idéia, basta verificar que a inflação dos últimos 15 anos (1995-2010) foi de 220,4%., enquanto que o empregado da CAIXA teve aumento de apenas 85,6% no mesmo período. Os salários do pessoal da CAIXA, portanto, sofreram uma defasagem de 134,8% pelo índice oficial do governo.

O salário mínimo, por outro lado, foi contemplado com reajustes recordes de 445% no mesmo período, tendo superado a inflação em 224,6 %.

Para não atrelarmos o valor do salário da CAIXA apenas ao salário mínimo, compare-mo-lo com o preço do sanduíche Big Mac que é coletado e utilizado pela revista The Economist para a construção do índice Big Mac que serve para aferir o grau de valorização das moedas ao redor do mundo. Nos últimos quinze anos, o preço do Big Mac subiu, no Brasil, 392,56%, portanto, 172,16% acima da inflação. Usando essa referência, um empregado da CAIXA podia comprar 413,22 Big Macs, por mês, em 1995. Hoje, ele compra apenas 195,45 Big Macs/mês..

Fica demonstrado assim, que os salários dos empregados da CAIXA sofreram enorme defasagem nos últimos quinze anos. É bom lembrar que quinze anos, representam praticamente metade do tempo de serviço para a aposentadoria e que, normalmente, nesse tempo avança-se na carreira, ocupando–se funções que exigem cada vez mais responsabilidades. O que se vê, no entanto, é que o crescimento do salário do empregado da CAIXA não correspondeu ao acúmulo de experiências e à passagem do tempo.

Assim, ao ler a referida reportagem, não pude deixar de lembrar da famosa frase que diz que “uma mentira dita muitas vezes se torna uma verdade”. Ainda bem que existem os dados para comprovar a verdade: os bancários da CAIXA continuam sofrendo uma enorme defasagem salarial. Precisamos lutar para conseguirmos reaver um pouco da nossa dignidade e a justa retribuição pelos serviços prestados à sociedade. Qual a única forma de sermos ouvidos? Fazendo greve!

Fonte: Ana Maria Leite Paulo - Empregada da Caixa Econômica Federal e Pós-Graduada em Administração Financeira

domingo, 16 de outubro de 2011

Lembranças do Wii


Bem, para quem já conhece, o Wii é um dos 3 consoles TOP do momento. Mesmo tendo a pior resolução gráfica dos 3 consoles e muitos dos jogos serem mais simples, sua graça está na interatividade (o que faz muita gente sedentária e preguiçosa não gostar dele e claro eu rir destas pessoas) obrigando muita gente a se mexer (e muito). Seu principal foco, são os jogos de esportes, mas mesmo clássicos tiveram um novo destaque (Super Mário, Sonic e Donk Kong que o digam), além de jogos como Resident Evil (ficou muito divertido jogar com arma e ter que balançar o controle para fazer alguns movimentos).

Fazia tempo que eu não jogava alguns jogos do Wii. Quem mais gostava de jogar era a minha falecida mãe e tive muitas lembranças dela este fim de semana, ao rever alguns jogos. Me divertir muito, mas não posso negar as lembranças dos comentários que ela fazia de cada jogo que gostava. E muitos destes jogos eu levava uma surra quando jogava com ela.
São boas lembranças, mas aos poucos, vou voltando a jogar. O Wii sempre foi um dos meus video-game favorito. E claro, já tem jogos novos do Wii que me interessa.




domingo, 2 de outubro de 2011

um pouco de tempo


Faz um tempinho que não atualizo este blog.
Fiquei um tempão precisando espairecer um pouco e resolver alguns problemas. Peguei licença do trabalho e férias e estive fora de casa por um bom tempo. Mesmo nos fins de semana eu não parava aqui, para não ficar em casa.
Cuidar de inventário é um pouco estressante. Inclui alguns parentes e outros que nem vale a pena contar e temos mais problemas. E passei a tomar remédio de uso controlado, os famoso tarja preta. Vamos ver se amanhã o médico já me libera destes remédio. Já recuperei a maior parte de minhas faculdades mentais e não vou ser internado como louco. Mas meu humor está apenas mais afiado, principalmente para perguntas idiotas.
Uma das coisas mais interessantes que passei, foi quando a mãe de uma amiga olhou para mim e perguntou se eu estava bem. Se olhar mata-se acho que ela cairia dura, mas não levou nem um minuto para ela pedir desculpa e se corrigir, dizendo que era lógico que eu não estava bem. De certa forma ela subiu em meu conceito, por perceber algo sem eu precisar falar nada.
Também tenho que agradecer muita gente que me ajudou e deu apoio. Seja pessoalmente ou apenas me ligando para conversar e dá apoio. Amigos que já passaram por esta situação e outros que se preocuparam. Não sitarei nomes para não cometer o erro de esquecer alguém. Na verdade nem sei bem quem estava no velório.
Mas agora vamos seguir em frente. Mais um tempo e devo terminar o que precisa do inventário. Assim como vou começar a ver as coisas que quero guardar da mãe. As outras devo dá para minha meia-irmã e minha prima. E o resto doar para amigos da minha mãe ou caridade. Já comecei a entrar no quarto dela. O que é uma boa evolução.

Logo mais vejo de colocar as novidades por aqui e continuar com os meus posts. Tanto sobre minhas viagens, quanto sobre idiomas e outras coisas que gosto.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Mãe


Faz tempo que não escrevo. Mais de um mês.

Assunto não falta, mas motivação ainda vai demorar um pouco, não só para falar de idiomas, como de viagens e outras coisas.

Mas aos poucos vou voltando.

Primeiro mês passado foi meu aniversário. Cancelei toda a comemoração, bolo e o que mais eu ia fazer. Incluindo a viagem ao Rio que ia fazer no feriadão.

Passei meu aniversário na UTI, com minha mãe. Ela só teve tempo de me dá o presente de aniversário.

Engraçado o recepcionista me dando parabéns, enquanto eu fazia o cadastro da minha mãe e ele olhando a minha identidade. Foi dois dias complicados sem dormir praticamente. Tenho muito a agradecer a Regiane, Alexandre e família, Daniel e Giovana e Marques pela ajuda que deram cuidando de tudo quanto ao velório e a cremação. Realmente eu não estava em condição nenhuma de fazer algo e tive que ficar um tempinho no Pronto-Socorro.

Agradeço a todos que foram prestar as últimas homenagens. Não citarei nomes, porque estava à base de calmantes e não sei quem foram e não quero deixar nenhum nome de fora. Bem como agradeço a todas as mensagens enviadas (vi dias depois, era um pouco engraçado, pois eu tinha um monte de mensagens de parabéns junto com os meus pêsames) e ligações que fizeram (peço desculpas por não ter atendido, pois meu celular e o da minha mãe ficaram com amigos e parentes que estavam ajudando) e eu não tinha condição de falar. Mas depois foram me falando e vi as ligações recebidas.

Fiquei um tempo afastado do trabalho e pedi um tempo de licença também para espairecer. Fiquei um bom tempo sem colocar os pés em casa.

Já estou me habituando e vendo todo o processo referente ao inventário.

Engraçado que corremos tanto para arrumar os documentos e renovar o plano de saúde, dela como minha dependente. O documento mais complicado que era a certidão de nascimento dela de Recife, já tinha chegado. Ela estava feliz pelo RG novo que ela tinha pegado (e levei meses para convencê-la a trocar o RG). Assim como o tratamento para parar de fumar estava tudo dando certo e ela já não fumava como antes. Um maço já durava 3 dias, quando antes mal durava um. Sentirei saudades do cheiro de cigarro.

Quanto ao quarto dela e suas coisas, ainda não tenho condição de mexer. Sábado já foi complicado fechar pela última vez a oficina de costura e guardar todas as máquinas de costura, móveis e outras coisas. Foram 6 anos de oficina. Domingo até comecei a mexer nas coisas dela para deixar algumas coisas com o pai e outras com a Hosana... mas vi que eu não tenho condição nenhuma de mexer em seus pertences. CDs, DVDs, roupas... ia me lembrando de cada momento, alguns presentes que dei para ela. Coisas que ela gostava. Ainda vai levar um bom tempo para que eu possa abrir o quarto dela bem como a garagem onde guardei todas as coisas da oficina. Algumas coisas sei que tenho que dá logo, como doce que ela gostava, o ovo de páscoa que dei para ela, quando ela saiu do hospital no feriado de páscoa e outras coisas que ela gostava de comer. Sinceramente eu não vou conseguir comer.

Sinto-me mal em não ter realizado alguns de seus sonhos.

· Como construir a casa dela em Santa Catarina;

· Não pude dá o presente de aniversário dela que é na semana logo seguida ao meu;

· Não pude levá-la em vida para Recife, sua terra natal e nem para Jerusalém, que ela queria conhecer;

· Ela queria netos, mas nem tão cedo isso estava em minha mente... ainda assim vou ficar devendo;

· Não tive tempo de dá para ela um filme em blu-ray;

· Comprar jóias, anéis, brincos, para repor tudo o que ela vendeu, para me ajudar a pagar a faculdade;

· Não tê-la levado em um jogo de vôlei;

· Não tê-la levado para um show do Roberto Carlos ou de algum cantor sertanejo que ela gostava;

· Comprar um carro de novo para ela.

Desculpe em não poder realizar seus sonhos.

Assim como vou sentir saudades de algumas coisas:

  • Sempre que passava na Santa Cruz, comprava uma torta de morango que ela adorava;
  • Chocolate com castanhas e/ou uvas que vi outro dia na loja... não tem como eu não lembrar que eu comprava para ela;
  • Sua comida... fiquei muito triste em ter que jogar toda comida que ela fez um dia antes no lixo. Fiquei muito tempo sem conseguir ir para casa e não pude salvar nada do que ela fez. Fiquei uns dias cozinhando com a cabeça longe e esquecia de coisas mais básicas que ela tinha me ensinado como colocar tempero ou sal;
  • Vou sentir saudades das broncas dela;
  • Assim como vou sentir saudades, quando ela dizia que tinha dúvidas se funcionário público era vagabundo, mas depois que eu virei um, agora ela tinha certeza;
  • A cara de choro e alegria que fazia quando ia me buscar no Aeroporto, sempre quando eu voltava de uma viagem;
  • Wii e o PSP, não têm como eu jogar estes vídeos-game, sem lembrar dela. Ela adorava jogar ambos e me superava em muitos jogos;
  • Conversar e dá risadas sobre coisas idiotas que algumas pessoas fazem ou falam. Era divertido saber o que as clientes dela faziam, das broncas que ela dava e coisas curiosas que acontecia, assim como ela me ouvia quando eu falava. Dávamos boas risadas;
  • Café, por mais que eu não goste desta bebida, todo santo dia eu fazia café para ela. Hoje vejo a cafeteira, o pote de café e o coador e deixo de lado, para fazer sempre que tem uma visita. Mas não é a mesma coisa;
  • Jogo de vôlei, ouvir Roberto Carlos ou músicas sertanejas... é estranho o silêncio que há hoje em casa.

Muita coisa em casa ainda me faz lembrar dela. Mas só tempo ao tempo.

Que descanse em paz.

P.S.: Escreveria mais coisas aqui... mas não estou em condição. Mesmo este post, era para ter sido ontem e já não me aguentava.
Uma das melhores lembranças que tenho, foi da festa de aniversário surpresa que fiz para ela ano passado, dia 3 de julho. Ela me xingou muito, porquê não gosta de festa, mas adorou rever tantos amigos delas e parentes.

P.S.2: Um comentário que ela fez, um dia antes do ocorrido. Que eu ia sentir muitas saudades de abraça-la... realmente ela sempre teve razão.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Frase do livro do Clã Brujah

"Houve uma época em que eles construíram monumentos à paz e passavam o tempo na contemplação do infinito. Há poucas coisas mais belas do que o trabalho daqueles que são capazes de ver além. Há poucas coisas mais letais do que um sonhador traído. Os traidores puseram os monumentos por terra. A breve vida de paz eterna afundou nas ruínas do tempo. A esperança no infinito afundou-se nas cinzas.
Agora, quando a pulsação começa, palavras não são o bastante. Quando a fúria cresce, a paz sofre. Quando o frenesi irrompe, somente o sangue pode contê-lo."


Li isso tantas e tantas vezes e até hoje é o meu trecho favorito do livro. Depois de uma segunda tensa... acho que posso dormir um pouco (se bem que preciso ir no trabalho).
:P

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Arco da Lapa e bondinho do morro Santa Tereza



O Aqueduto da Carioca, popularmente conhecido como os Arcos da Lapa, localiza-se no bairro da Lapa, na cidade do Rio de Janeiro.

Considerada como a obra arquitetônica de maior porte empreendida no Brasil durante o período colonial, é hoje um dos cartões postais da cidade, símbolo mais representativo do Rio Antigo preservado no bairro boêmio da Lapa.

A imponente construção em estilo romano tem 17,6 metros de altura, 270 metros de extensão e 42 arcos que ligam o bairro de Santa Teresa ao Morro de Santo Antônio.






O aqueduto foi construído em 1723 e tinha como objetivo conduzir a água do rio Carioca da altura do Morro do Desterro (atual bairro de Santa Teresa, para o Morro de Santo Antônio. A obra ajudaria a resolver o antigo e recorrente problema da falta de água na cidade. Os estudos para trazer as águas do rio Carioca para a cidade começaram nos primeiros anos do século XVII, mas as obras de instalação de canos de água no Rio de Janeiro só tiveram início um século depois.

O aqueduto, a partir de 1896 passou a ser utilizado como viaduto para os novos bondes de ferro, principal meio de acesso do centro aos altos do bairro de Santa Teresa, até os dias de hoje.

Conhecido como bonde de Santa Teresa ou bondinho de Santa Teresa, com seus veículos amarelos, são o símbolo do bairro de Santa Teresa.


Além de um bom preço (acho que não paguei nem 50 centavos), permite um excelente passeio por cima dos Arcos da Lapa. E se você for em pé, não paga.



Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bonde_de_Santa_Teresa, http://pt.wikipedia.org/wiki/Aqueduto_da_Carioca

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Escadaria Selarón

Até tenho assuntos para falar, mas como este mês estou no clima de fotografia, vamos a mais algumas fotos do passeio no Rio. Acho que desta vez vou focar em certos lugares por onde passei. Escadaria Selarón...





Jorge Selarón é um pintor e ceramista autodidata chileno radicado no Brasil. Ele é o autor de uma obra viva e mutante que colore a Lapa e Santa Teresa. Passou por mais de 50 países até decidir que viveria no Brasil. Sua maior e mais conhecida obra está na escadaria do Convento de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, que teve seus 215 degraus e 125 metros decorados com mais de dois mil azulejos diferentes, porvenientes de mais de 60 países, dando um tom brasileiro com as cores da bandeira. Segundo o artista, só conseguiu prosseguir com sua grande obra pintando e vendendo mais de 25 mil quadros, quase sempre com um tema motivado por um problema pessoal, "mulher grávida".

domingo, 12 de junho de 2011

Fotografia


Que eu gosto de fotografia, não nego. Sou um fotógrafo amador incorrigível, gosto de preservar cada momento que minha memória pode vir a esquecer. Já passei momentos revendo fotos antigas de como eu era e relembrando alguns momentos.

Mas hoje conversando com um amigo fotógrafo (quem convive muito tempo no meio cosplay, acaba pegando amizade com muitos fotógrafos) e vendo dicas de como tirar foto. Bem uma pequena aulinha. Mas é algo que tenho que concordar. Não é a câmera que faz A FOTO e sim o fotógrafo que enquadra, cuida da iluminação e outros fatores para uma boa foto.

Comecei tirando fotos no trabalho, quando fazia relatório fotográfico da evolução de obras (tenho muito que agradecer ao meu ex-chefe, que vivia me explicando como enquadrar uma foto e o que ele queria no relatório). Aos poucos eu fui pegando gosto e passei a tirar fotos de outras coisas, pessoas e lugares. Virou uma paixão... virou.

Mas algo que aprendi, mesmo com uma câmera ruim, se você souber aproveitar os recursos que ela tem, sua foto será excelente. Não é simplesmente batendo uma foto. Deve-se ter idéia de que não é apenas o que você quer fotografar, mas também o ambiente e cenário ao redor que compõe uma foto.

Eu penso em mais para frente, fazer um curso de fotografia e comprar uma câmera profissional. Hoje, estou bem com a minha câmera e as dicas, truques e explicações que as pessoas do ramo me dão. Mas quero cada vez melhorar.

Então agradeço a todos os meus amigos que já deram dicas, me ensinaram e cederam alguns minutos preciosos de seus tempo para compartilhar sobre esta nobre arte que é a fotografia.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Rio 40º


Bem... o que dizer.
Já tinha ido a passeio no Rio, quando era pequeno. E as outras vezes era para eventos. Mas uma amiga me convidou (sei não este pessoal do funk) e resolvi aproveitar o convite e passear um pouco no Rio de Janeiro. Não posso negar que depois do filme Rio... já estava até mais empolgado em ir.
Claro que gostaria de ter encontrado velhos amigos do meio cosplay (e até liguei para alguns)... mas como não sabia o que minha amiga carioca (que não é do meio otaku) ia fazer ou me levar... entre encontros e desencontros... não pude vê-los. Mas prometo o mais breve possível (feriado de corpus cristi) fazer outra visita e ver quem eu não vi.

Mas pude conhecer novos amigos (a maioria já eram amigos da Moniquee alguns do Thiago) e que permitiram um fim de semana ótimo correndo para cima e para baixo em um pedacinho do Rio.



Que permitiram fotos lindas, com uma paisagem desta...


Além de muitos turistas que sairam de Robert nas fotos... mas ainda assim, valeu cada minuto.


Bem, agora só esperar mais um tempo e ver quando eu apareço e manter contato com os velhos e novos conhecidos. E tentar ver quem eu não consegui ver...


quinta-feira, 26 de maio de 2011

Singapure Airlines





Nunca tinha ouvido falar, até o dia que um colega voltou da Europa e disse que viajou por esta companhia e deu nota 10. Como amo viajar, fiquei curioso e olhei os preços (OH MY MARY). Vôo para Barcelona muito mais em conta que pelas outras companhias. E padrão de qualidade muito acima da média por este preço.

Como diz uma matéria que li sobre a companhia... http://www.aquelapassagem.com.br/voando-na-singapore-airlines-o-que-esperar-na-primeira-classe-executiva-e-economica-%E2%80%93-1%C2%AA-parte/

Apesar de contar com assentos, sistema de entretenimento e comida acima da média, o que faz mesmo a Singapore uma empresa superior à média e um destaque entre as melhores são seus funcionários. A delicadeza das Singapore Girls, a busca da qualidade do serviço prestado pelos comissários e pelo pessoal de solo transparecem a importância que dão aos seus consumidores.